Meningite

A meningite é uma doença que ataca as defesas do organismo e passa a afetar negativamente o funcionamento das meninges, que são as membranas que envolvem o encéfalo, a medula e algumas outras regiões do SNC – sistema nervoso central, e realizam sua proteção, inflamando-as.

Ela se dá em três tipos, que são o causado por vírus, o que é causado por bactérias e o que é causado pela ação fúngica, e qualquer um dos citados pode levar à ocorrência de uma meningite crônica.

Introdução

Por se tratar de uma doença que pode ocorrer devido a diversos fatores, a meningite é uma das fontes de preocupação do governo brasileiro, que faz campanhas para a prevenção e tem métodos que facilitam o tratamento nas principais épocas onde ela ocorre, sendo a viral no verão e a bacteriana no inverno – devido aos meios de transmissão.

Sintomas

A meningite é uma das doenças cujos sintomas podem ser facilmente confundidos com os sintomas da gripe, fazendo com que o diagnóstico correto por meio de um profissional especializado seja crucial para que o tratamento possa ser eficaz.

A presença da doença pode ocasionar em sinais como a ocorrência repentina de febre que atinge de 37 a 38 graus, dores fortes na região da cabeça, uma rigidez na área do pescoço, falta de apetite e até mesmo náusea e vômitos. Pode-se também notar confusão mental nos pacientes que apresentam a doença, bem como a dificuldade ao concentrar-se.

As convulsões também podem indicar a inflamação das meninges, bem como o excesso de sonolência, a sensibilidade à luz, a presença de rachaduras e de manchas vermelhas na pele.

Causas

Dados os três fatores que podem ocasionar a meningite, é importante saber que as causas da mesma variam dependendo do tipo que afetar o indivíduo. É importante lembrar que a mais comum das meningites é a que se dá pela transmissão de vírus, mas há também as bacterianas e as fúngica.

Os vírus que causam a meningite podem ser encontrados em alguns alimentos, também pela água e por meio do contato com objetos contaminados, e a ocorrência desse tipo é muito mais frequente no período quente do final do verão e no início da estação do outono.

As infecções no ouvido também podem desencadear a presença de meningite, e os fatores de risco incluem a gravidez, os fatores que prejudicam o sistema imunológico, as crianças até cinco anos e os adultos por volta dos vinte anos, bem como a frequência de contato com ambientes fechados e com muitas pessoas.

Tratamento

O tratamento da meningite irá ser diferente para cada tipo da ocorrência da doença, portanto, a maioria das vezes não requer o uso de medicamentos nem o acompanhamento médico ao longo do processo, sendo que a hidratação do organismo e remédios utilizados para amenizar as dores causadas pela doença são os mais comuns, juntamente com o repouso.

Para a meningite causada por bactérias, a administração de antibióticos é imprescindível, e é absolutamente necessário o acompanhamento médico para evitar que quaisquer danos maiores à saúde possam se apresentar ao longo do tratamento – o remédio também será administrado de acordo com a bactéria que estiver causando a doença.

Nos casos de meningite causada por fungos, se torna necessário avaliar qual o fungo causador da mesma para conseguir administrar os remédios antifúngicos apropriados, e, dado o fato de que a maioria desses medicamentos apresenta efeitos indesejados com o seu uso, o acompanhamento médico se torna ainda mais crucial.

A duração do tratamento e as medidas adicionais que serão tomadas pelo paciente ao longo do mesmo podem apenas ser estabelecidas por um médico especializado, portanto, ao notar o aparecimento dos sintomas, busque por ajuda o mais rápido possível.

Quantas Estrelas Vale Este Artigo?

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...

H1n1

A h1n1 é uma doença infecciosa que é ocasionada por um vírus que partiu de uma mutação do vírus da gripe comum, chamado de Influenza h1n1, e também é conhecida pelo nome de gripe suína, tomando grandes proporções no território brasileiro na época em que afetou amplamente o mundo, nos anos de 2009 até 2010, afetando o país com mais casos no ano de 2016.

Por ser uma doença que causa sintomas muito parecidos com a gripe comum, mas por conseguir afetar de forma drástica a saúde, é absolutamente necessário que o paciente que apresentar os sinais procure por um médico especializado, pois, não tratada corretamente, pode inclusive levar à morte.

Introdução

A influenza h1n1 afeta principalmente o sistema respiratório, o que faz de sua transmissão muito passível em ambientes onde a ventilação não seja suficiente, podendo fazer com que a ocorrência da doença em cidades que contém meios de transporte público como metrôs e ônibus seja mais alta em tempos de surto.

É extremamente necessário buscar o apoio de um médico especializado em um pronto atendimento de saúde que possa identificar se os sintomas apresentados caracterizam uma gripe comum ou a infecção pelo vírus h1n1, pois o tratamento correto impossibilita a evolução da doença.

Sintomas

As pessoas que foram infectadas pelo vírus h1n1 podem apresentar sintomas parecidos com os da gripe comum, como previamente mencionado, que incluem a febre que acontece de repente, podendo atingir os 38º (procure um médico imediatamente!), as dores de cabeça, dores na região da garganta também são muito comuns.

A influenza h1n1 também apresenta sintomas como as dores no corpo principalmente nos músculos e articulações – a falta de apetite também é um dos sinais que pode indicar a presença do vírus no organismo, bem como a coriza e a tosse, dado que a doença afeta o sistema respiratório.

Causas

O vírus h1n1 teve a sua primeira ocorrência em animais como porcos, o que caracteriza também o nome pela qual ela é amplamente conhecida, gripe suína, mas as mutações pelas quais o vírus passou ao longo dos anos o fez uma ameaça também para os seres humanos.

A causa da doença se dá por meio da transmissão da mesma através dos mesmos métodos pelos quais se espalha a gripe comum, os quais são as tosses e os espirros, o contato com secreções de pessoas infectadas, e quaisquer interações que envolvam a troca de fluidos originados na boca ou no nariz, como beijos, espirros ou tosses.

O tempo que o organismo leva para começar a apresentar sinais após ser infectado pode variar entre um até sete dias após o contato, sendo necessário manter sempre o controle dos sintomas para que o diagnóstico seja realizado corretamente e o tratamento possa ser efetivo.

Tratamento

A maioria dos casos de influenza h1n1 foi tratada sem a necessidade de realizar quaisquer medidas de internação dos pacientes que apresentavam a doença, nem muito menos do uso de medicamentos com a ação antiviral, sendo o descanso e a hidratação as medidas mais comuns e efetivas para que os pacientes conseguissem recuperar a saúde.

Alguns casos relatados, entretanto, apresentaram a necessidade de utilização de medicamentos e o acompanhamento com o médico para que o curso da doença pudesse seguir sem causar mais danos à saúde do paciente, por esse motivo, a busca por um profissional da saúde é essencial.

Para prevenir a ocorrência da h1n1 é necessário lavar sempre as mãos, evitar o contato das mesmas com a região da face, manter uma alimentação saudável que permita ao sistema imunológico funcionar com eficácia tanto contra a h1n1 quanto contra a maioria das doenças, bem como evitar o uso compartilhado de materiais de uso pessoal como toalhas, copos, roupa de cama e talheres.

Chikungunya

A Chikungunya é uma doença emergente causada por mosquitos cujo nome surge devido a um alfa vírus, o Chikungunya. A doença é transmitida pela mordida do mosquito Aedes aegypti ou Aedes albopictus.

Essa se espalha quando o mosquito Aedes fêmea morde uma pessoa infectada e, em seguida, morde outras pessoas. O Aedes aegypti é um mosquito que quase sempre será encontrado dentro e ao redor de casas, escolas, locais de trabalho e outros lugares onde pessoas se reúnam.

Ele se reproduz em qualquer tipo de recipiente onde a água pode sedimentar. Os locais de reprodução mais comuns são tambores, pneus e contêineres dentro e ao redor da casa, da escola, do local de trabalho e das comunidades. É importante evitar deixar água parada!

Sintomas

Os sintomas de Chikungunya refletem aqueles de outras doenças transmitidas por mosquitos: febre, dor nas articulações, dores de cabeça e dor muscular. Não existe nenhuma vacina ou medicamento para tratar especificamente o vírus.

Embora não resulte em morte, as dores nas articulações e a rigidez podem durar meses e até anos. Pode tornar-se uma fonte de dor e incapacidade crônica, resultando no abandono do emprego ou estudo do indivíduo.

Mesmo que a maioria dos pacientes possa se recuperar no prazo de uma semana, médicos e especialistas pedem que qualquer pessoa que perceba esses sintomas procure atendimento médico imediato para evitar complicações.

Os sintomas geralmente são percebidos de 3 a 7 dias após indivíduos serem mordidos pelo mosquito infectado. No entanto, eles também podem surgir no intervalo 1 dia após a mordida ou até 12 dias após ela.

Causas

A causa da Chikungunya é a mordida do mosquito que está infectado, mas isso acontece majoritariamente em função da água parada em que os ovos são depostos e que faz com que mais mosquitos surjam.

Quem corre o risco de sintomas mais graves são os bebês, os idosos, as mulheres em estágio avançado da gravidez e pessoas com condições médicas subjacentes, como diabetes e hipertensão

Tratamentos

Não há medicação específica para o tratamento do vírus Chikungunya. Os analgésicos podem ser tomados para reduzir a febre e a dor, no entanto, apenas os analgésicos com Paracetamol devem ser usados. NÃO TOMAR analgésicos como a aspirina, o ibuprofeno e outros medicamentos anti-inflamatórios.

As pessoas com suspeita de Chikungunya devem informar o médico ou o centro de saúde mais próximo, além de descansar, beber bastante líquido e evitar mordidas de outros mosquitos. Sabendo que não há vacina para evitar Chikungunya. A melhor prevenção é a:

  • Reduza ou elimine os locais de reprodução de mosquitos.
  • Verifique o quintal semanalmente para remover recipientes cheios de água.
  • Os grandes recipientes, como tambores ou aparelhos antigos, devem ser armazenados cobertos, fechados ou colocados sob um telhado que não lhes permita encher com água.
  • Limpe e esfregue vasos de flores e potes de comida e água de animais de estimação. Jogue fora a água que fica embaixo dos vasos de plantas.
  • Verifique se as calhas não estão retendo água.
  • Preencha os orifícios das árvores e outras cavidades em plantas com solo ou areia.
  • Verifique se existem corpos ocultos de água, como drenagens entupidas, poços, fossas sépticas, poços de entrada, etc.
  • Use repelentes de insetos pela casa, evitando que entrem e acabem por picar você e sua família.
  • Proteja-se contra picadas de mosquitos durante a noite usando um repelente de mosquito que contenha DEET, durma com a proteção de uma rede contra mosquitos, use roupas coloridas e cubra o corpo o máximo possível.

Agora que você sabe tudo sobre a Chikungunya, previna-se e evite passar por esse desconforto, inclusive consultando seu médico se presenciar qualquer um dos sintomas acima descritos.